Evoluímos, minha gente!
Hoje a força de luta dos trabalhadores é a organização,
a educação e o constrangimento moral de quem
ainda se coloca contrário aos interesses e direitos
da maioria do povo brasileiro.

 

Professores e professoras, funcionários públicos, estudantes, advogados, profissionais liberais, trabalhadores e trabalhadoras das diferentes categorias de nossa cidade Passo Fundo ensinaram, a partir das ruas, que lutar também ensina. O mesmo aconteceu em pequenas, médias e grandes cidades deste país.

Ensinaram, principalmente, aqueles que não podem ou não estão na luta (por diversas razões), sobretudo, aqueles que não lutam por medo de perder seu emprego. A causa é de todos: a defesa dos direitos trabalhistas e sociais que vem sendo duramente atacados pelas reformas do governo ilegítimo do Temer.

Emocionante ouvir o coro de centenas ou milhares de manifestantes gritando para quem tinha ouvidos para ouvir: “Aqui está o povo sem medo, sem medo de lutar”.

Este movimento de resistência conseguiu paralisar a movimentação de pessoas e mercadorias, fazendo com que os coletivos urbanos ficassem durante o dia nas garagens e as portas do comércio fechassem por alguns minutos ou horas.

Clip chamando Greve Geral do dia 28 de abril. Vale a pena assistir.

 

Quem acusa o movimento legítimo e organizado pelos sindicatos e movimentos sociais de nossa cidade e de nosso país de usar táticas de guerrilha mente para a população e desrespeita a importância de movimentos mais radicalizados que os trabalhadores faziam na década de oitenta e noventa paralisando os ônibus e o comércio quebrando-os ou obstruindo a sua passagem na marra e na força física.

Evoluímos, minha gente! Hoje a nossa força de luta é a organização, a educação e o constrangimento moral de quem ainda se coloca contrário aos interesses e direitos da maioria do povo brasileiro.

Não tivemos episódios de agressão, nem vidros quebrados e nem ônibus danificados.

Renovo esperanças no protagonismo de todos os cidadãos e cidadãs brasileiros, auxiliados por políticos que ainda saibam valorizar e articular as forças populares para governar nosso querido Brasil.

A saída para os problemas brasileiros é pela política, que se traduz na cidadania ativa das pessoas e no poder de organização dos coletivos que se dispõem a ajudar a dar rumos de uma nação. Passa também pelo fortalecimento dos partidos que, historicamente, estiveram em defesa dos interesses da classe trabalhadora.

Em outro texto publicado em site, pergunto: “demonizar a política não é justamente condenar toda a sociedade à ditadura dos pensamentos únicos e instrumentalizados como a Justiça? Quem reinará num mundo sem política? A quem nos dirigiremos para resolver os problemas da coletividade?
Veja mais.