O amor é uma das qualidades humanas
que se comunica sendo.
Como tudo o que é cultivado na intimidade,
o amor detesta portas escancaradas.

 

Não exponhas o amor às extravagâncias. Sê discreto e manterás o amor seguro.

Esquece as declarações públicas, as faixas em aviões. Deixa o amor na alma, no coração e na mente, onde estão suas três raízes. Amor exposto é presa fácil às pragas.

Não te perguntes por que na floricultura as plantas têm folhas tão brilhantes e flores tão suaves. Pensa um pouco e lembrarás das estufas onde cresceram. Nenhuma flor delicada suporta a intempérie.

Por qual razão deixarás o amor sofrer ao relento? Como tudo o que é cultivado na intimidade, o amor detesta portas escancaradas.

Não ames para os outros. Ama para a pessoa amada. Apenas a ela interessa o teu desespero e a tua insegurança. Apenas ao ser amado interessam tuas declarações.

 

Canção Eu sem você, Paula Fernandes.

 

Deixa que os outros descubram o ser sutil. O amor não se revela em alto-falantes, nem em outdoors. O amor se diz em pequenos gestos, em espelhos tênues. É meia-luz o grande sol do amor. É o silêncio seu maior teatro.

Deixa os outros se espantarem com o amor, mas nunca pelo fiasco. O amor é feito de alma e, como ela, existe mas não pode ser tangido. Sente o amor como uma brisa anunciando mudança de tempo. O amor tem um corpo de aura que se esmigalha ao ser exposto sem finesse.

A maior prova que o amor nos faz para ver se dele somos dignos é incitar-nos a contá-lo ao mundo. Por isso, o primeiro impulso do apaixonado é sair gritando aos quatro ventos.

O que interessa ao mundo se amas? O amor interessa ao amado. Fala em seu ouvido, mostra com teus gestos, muda tua vida.

Teu amor não interessa aos vizinhos, ao pessoal do shopping, aos frequentadores de um jogo de futebol, aos telespectadores de um programa de televisão. Não mostres ao amor que não o mereces. Não consumas teu amor na indiscrição.

Quando quiseres amar, entra na tua alma e na alma que te encanta. O amor é uma das qualidades humanas que se comunica sendo.

Receita do Papa sobre a duração do amor:

“Mas se o amor é uma relação, então é uma realidade que cresce, e também podemos dizer, por exemplo, que se constrói como uma casa. E a casa é construída em companhia do outro, não sozinhos! Não queiram construí-la sobre a areia dos sentimentos, que vão e vêm, mas sim sobre a rocha do amor verdadeiro, o amor que vem de Deus.”
Veja mais aqui.
 

 

Quando amares, sê diferente sem escândalos. Deixa as loucuras de amor para o teu lar, para o teu quarto, ante os olhos e a boca. Uma intimidade exclusiva é o maior presente a ser dado a quem jogou o amor em ti.

Que teu amar seja tão exclusivo que apenas o amado ou a amada o reconheçam. Dá a ele ou a ela essa surpresa. É a única maneira de conservar o amor sempre com brilho de folhas novas e com a suavidade das pétalas.

O amor extravagante sofre as intempéries, desgasta-se com a poluição, fica ao risco das pragas, e ao expores ao mormaço as raízes sem o esmero da sutileza causarás, embora indesejado, o seu ressecamento.

Então, para sempre, terás perdido os instrumentos com os quais buscamos nas dimensões mais profundas da intimidade a seiva de nossas alegrias. Ao amar, sê como um monge oração.

Gerson Schmidt em texto: “O amor no tempo eterno do agora”: “Não nos permitimos mais perder tempo para celebrar o amor verdadeiro, para parar no tempo. Não queremos mais perder tempo nas pequenas coisas mais simples e cotidianas. Temos grandes negócios a resolver, a decidir, e precisamos correr atrás de uma máquina. Somos robôs de uma engrenagem que nós mesmos criamos.

O amor no tempo eterno do agora