Quanto maior a necessidade
de aplacar o estresse,
mais comida se ingere.
Quando se dá conta,
já buscou conforto na comida.

 

Para maioria das pessoas, motivos para incluir metas para emagrecimento e vida saudável não faltam, mas difícil é manter o foco quando se procura na comida a cura para todos os problemas de uma pessoa.

Vivemos numa época em que, cada vez mais, pessoas estão com menor capacidade em lidar com seus sentimentos e problemas. Vivemos uma epidemia de depressão e transtornos do sistema nervoso, além de sobrepeso.

É inegável que comer é um ato prazeroso e que não encontramos quase nenhuma outra maneira que nos dê prazer tão grande. O ato alimentar já é introduzido no nosso inconsciente como algo bom desde o aleitamento materno, onde temos o acolhimento, o afeto e o carinho no carinho.

A Psicóloga Amanda Menezes Gallo é especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental, Mestre em Avaliação Psicológica e Doutora em Distúrbios do Desenvolvimento. Há 4 anos atua, principalmente, nas áreas de obesidade, sobrepeso, emagrecimento, questões com o corpo e autoimagem. Ela explica como reconhecer a “fome física” e a “vontade de comer”.

 

A alimentação gera a produção de endorfina  que tem  ação relaxante, e a serotonina que atua no humor. Algumas outras situações estimulam esses neurotransmissores, como amor e exercício físico.

Quanto maior a necessidade de aplacar o estresse, mais comida se ingere. Quando se dá conta, já buscou conforto na comida.

O problema é quando as coisas fogem do controle, quando as pessoas buscam fuga na comida para manter sua felicidade e, ao mesmo tempo, têm peso na consciência por terem excedido seus limites, causando frustrações em forma de “bola de neve”: compulsão alimentar.

Conheça o jornal digital e impresso Viva Bem que publica matérias de saúde, beleza, bem-estar, estilo de vida, alimentação e saúde.
Veja mais aqui.

 

É importante  identificar quando há  excesso alimentar por conta de problemas emocionais. É preciso buscar ajuda praticando atividades físicas, iniciando um planejamento alimentar adequado, evitando dietas muito restritivas e, principalmente, buscando auxílio psicológico para superar as frustrações.

Mente tranquila – corpo saudável.