Como viver e praticar a solidariedade entre os diferentes, construindo uma identidade brasileira a partir das nossas diferenças? Qual será a contribuição que a escola dará neste contexto? Faremos das escolas, de uma vez por todas, lugares de humanização?

Vivemos momento histórico conturbado que se caracteriza, sobretudo, pela imposição das ideias individualistas e egocêntricas. Os cenários de um Brasil em disputa colocam-nos um grande desafio: como respeitar as liberdades individuais e estimular, na mesma intensidade e compromisso, a convivência e o respeito às nossas diferenças? Em outras palavras, como viver e praticar a solidariedade entre os diferentes, construindo uma identidade brasileira a partir das nossas diferenças? Qual será a contribuição que a escola dará neste contexto? Faremos das escolas, de uma vez por todas, lugares de humanização?

Eliane Brum, jornalista e escritora afirma que “precisamos conviver com os diferentes e com as diferenças. Ela tem razão. Precisamos voltar a nos interessar por ouvir. Precisamos voltar a conversar”. Sim, precisamos aprender a democracia. Precisamos repensar as práticas pedagógicas e sociais que nos permitam relações mais respeitosas com os outros. Nilson Souza, na crônica No fim da fila lembra Tancredo Neves, aos que lutam pela democracia: “Não vamos nos dispersar”. Eu diria, complementando: “não podemos nos dispersar”.

O professor Eduardo Albuquerque, líder sindical, da rede municipal de Passo Fundo afirma: “estamos vivendo hoje várias crises, mas, em especial, uma crise de coletividade. Estamos mostrando na prática que a nossa sociedade se desenvolveu cultivando o individualismo. Não temos a mínima noção de coletividade. Se fossemos atacados agora por um desastre natural grandioso seríamos exterminados porque nos preocuparíamos apenas conosco. Neste sentido, faço reflexão e meia culpa sobre o nosso papel de educador e de escola. Nossas escolas preparam indivíduos egoístas e egocêntricos que se preocupam com suas notas, com suas provas e seu sucesso. Não aprendemos e não ensinamos a repartir, auxiliar, estender a mão e hoje pagamos um preço caro por isso, pois estamos afundados em uma crise sem solução, a curto e médio prazo. Estou me repensando como professor e penso não mais me submeter a este sistema mesquinho de ensinar nossos jovens. Não conheço país algum que tenha se desenvolvido sem que seus habitantes sejam sujeitos solidários e se preocupem com o coletivo. Viveremos tempos difíceis, professor!”

O conhecimento deveria ser a ferramenta para superarmos a nossa vã ignorância e nosso egoísmo desmedido.  A humanização (possibilidade de nos tornarmos seres humanos melhores) passa, necessariamente, pelo conhecimento.

Não somos felizes sozinhos. Precisamos conceber nossa vida e nossa história como resultado de construções coletivas. O conhecimento que não tiver validade para todos, não tem valor algum. O conhecimento tem de ter sentido à nossa existência e sobrevivência, individual e coletiva.

A escola, para além de um espaço de construção de conhecimento, é também lugar de convivência social. Sempre pensei uma escola onde estes dois fundamentos tivessem uma importância paritária. A escola pode e deve contribuir para que construamos relações humanas mais respeitosas e solidárias, mas para isso deve organizar e vivenciar espaços permanentes de trocas, de convivência, de integração entre os estudantes e professores. Diferentes práticas sociais e de convivência não nascem de discursos, mas são possíveis a partir de diferentes práticas e intervenções sociais, muitas delas que só a escola consegue realizar, pois na escola podemos fazer, para além de eventos, processos de permanente formação humana. E processos podem desencadear mudanças substantivas nas nossas formas de ser, de pensar e de agir!