Apresento-me através destes dois textos crítico-poéticos.
A escrita, para mim, resulta sempre da necessidade
de comunicar o que vivo e o que sinto,
em cada contexto e momento histórico.

 

A luta, o raciocínio e o sentimento

Quero ser aquele que pensa, mas que também sente.
Aquele que vive da fusão do coração e da mente.
Para lutar, o raciocínio, que me faz olhar pra frente.
Para lutar, o motivo, que me faz perceber essa gente.

Essa gente é o coletivo, que num abraço me faz vivo.
O coletivo me faz forte, e à luta me confere suporte.
Mas raciocinar não é o bastante.
Para uma luta ser interessante, é necessário o “sentir” constante.

O próprio ato de sentir e raciocinar parecem contradição.
Mas quando a razão se divorcia do coração.
Somos apenas cabeças que rolam pelo chão.
Ou sentimentais irremediáveis vivendo na ilusão.

E quando o caminhar é acompanhado, sentido e pensado.
As marcas que deixamos são por mil multiplicadas.
Então todo o esforço de pensar e sentir que foi rebuscado.
Revelará os contornos do triunfo por luta forjado.

 

A consciência de um homem

De que vale a (cons)ciência de um homem?
Se a tirania como essência lhe consome.
No ato do respeito o homem se liberta.
E a resposta à estupidez, com ternura, desconcerta.

O homem colérico tem como carma o delírio.
E como impulso raivoso crava na alma o estírio.
Ao mito de Narciso, não se permite igualitário.
Agradeço à Natureza ter me feito revolucionário.

Para ser um socialista não existe melhor idade.
A intimidade nesse caso é com a tal Capacidade.
Ao olhar meu semelhante me desnudo da vaidade.
Refuto minha imagem como modelo ou santidade.
Reconheço os humanos como palco da diversidade.

Não que ser socialista, seja mais, ou seja, menos.
O ato de rotular é que nos torna pequenos.
O sufixo “ista”, diz a regra, indica ideia radical.
E só quem te defende, tem nas veias sangue sindical!!

A poesia é necessária à rotina das pessoas. Costuma-se dizer que a arte revela a realidade. Na verdade, ela inventa. A arte existe porque a vida não basta. O homem está sempre querendo que a vida seja mais bela do que ela é.” (Poeta Ferreira Gullar)