Eu tenho fé numa religião que fomenta
a espiritualidade da justiça, paz e ecologia.
E você?

 

Os filósofos se agitam em ver distinções onde o senso comum enxerga confusamente. Uma dessas confusões é sobre os três conceitos que compõem o título desse artigo. Seguimos o método esquartejador, por partes.

Fé é um ato de crença, confiança e entrega que se deposita em alguém ou num conjunto de verdades reveladas.

Antes de pensarmos na fé como fé em Deus, é fundamental pensar a fé na dimensão puramente humana.

Fé humana ou antropológica é o que move o filho a se jogar do terceiro andar do prédio, em meio à fumaça que lhe impossibilita ver, mas ouve a voz do pai que lhe diz: “joga-se meu filho, eu sei que tu não me vês, mas eu te vejo”. E o filho se joga. Pascal dizia que é “a fé é um salto no escuro”. Nada mais apropriado.

Fé é aquela atitude de confiança naquilo que não vemos e não temos certeza absoluta. Há um risco no ato de crer, impossível de ser redimido, apesar das evidências que nos dão alguma segurança. A mulher ama o marido e o marido ama a mulher e reciprocamente fazem juras e promessas de amor e se dão provas de amor. Contudo, permanece o risco. A palavra pode enganar e a obra e o gesto podem esconder intenções falsas. Mesmo assim, um crê no outro. É preciso crer no amor, dizia Kierkegaard.

Sem fé, a vida seria impossível.

Toma-se o ônibus e é necessário crer que o motorista não seja um terrorista e jogue os passageiros no precipício. Vai-se ao restaurante e tom-se a comida sem que alguém, previamente, teste se a comida não contém veneno etc. Os exemplos são infinitos.

O contrário da fé, não é a descrença, mas o medo e a paranoia. Desconfiar de todos e de tudo, eis o paranoico que vive a síndrome do medo. Lá onde a fé falha, instaura-se o medo e a paranoia que vê perigo e inimigos por todos os lados. Que triste uma vida sem fé!

“Os sem religião e a espiritualidade não religiosa”.

 

Quando a fé é a confiança e a certeza, sem a prova cabal, em Deus e nas suas promessas, então a fé passa da dimensão antropológica para a dimensão transcendente e teológica.

A fé religiosa não é, ainda, sinônimo de religião, pois mesmo sem religião é possível continuar crendo e confiando em Deus na solidão do seu eu.

E aqui vale o mesmo da fé humana e antropológica, com um agravante, a Deus ninguém viu e, por isso, a fé é ainda mais arriscada.

Religião, por sua vez, é a forma humana de organizar a fé em Deus. A religião é estrutura, organização, doutrina, hierarquia, moral e ritualização do ato de crer. Quando os que creem no mesmo Deus seduzem um ao outro, temos então a religião, forma coletiva de pensar e viver a própria fé.

Retratos de Fé apresenta a múltipla pertença religiosa, que consiste na prática simultânea de diferentes religiões.

 

Espiritualidade é a viver segundo um espírito que anima a vida. Quem tem fé no outro e tem fé em Deus, de per si, tem espiritualidade. Mas isso não significa que espiritualidade seja sinônimo de fé e de religião. É possível uma espiritualidade laica e até ateia com legitimidade e com integridade.

Viver segundo um espírito, eis o que é espiritualidade.

Ora, uns vivem segundo espírito da competição e da indiferença, típica do capitalismo. Outros sob o espírito do medo e da desconfiança. Outros, e não raro, sob o espírito da confiança, da solidariedade, da harmonia e da paz.

Outros, ainda sob o Espírito Santo de Deus que faz irromper o medo e enfrentar os poderosos, fazendeiros com seus jagunços, golpistas com seus tentáculos de poder, imperadores com seus exércitos e arenas com seus leões etc.

Fé, religião e espiritualidade. Eu tenho fé numa religião que fomenta a espiritualidade da justiça, paz e ecologia. E você? Namastê!

O pastor evangélico André Kivitz relata um caso envolvendo os jogadores do Santos F.C. No caso, os jogadores não desceram do ônibus porque a instituição de caridade para a qual estavam levando presentes para crianças com paralisia cerebral era espírita. Faz, então, uma importante reflexão sobre o episódio, que vale a pena conhecer. “O problema é que toda vez que você discute religião você afasta as pessoas umas das outras, promove o sectarismo e a intolerância”. Veja mais.