Zygmunt Bauman é um pensador que seduz a plateia pela sua capacidade de expressar e explicar o comportamento humano no século XXI. Com 90 anos de idade e uma rotina altamente produtiva, que inclui viagens para palestras, entrevistas e publicação de livros, Bauman esteve no Brasil pela primeira vez em 2015. Criador do conceito de liquidez, aborda temas que giram em torno do comportamento e das relações humanas, com atenção especial para o tema do consumo e da influência da internet. Ao analisar a situação brasileira se mostrou surpreso com os avanços sociais, em especial, com a experiência de retirar 22 milhões pessoas da pobreza.

Autor de 35 livros publicados no Brasil que tratam de filosofia, comunicação e, sobretudo, do humanismo, Bauman afirma que não trata de questões que estejam separadas dos problemas das pessoas: trata do modo de vida, da política e dos padrões culturais predominantes na atualidade. Identificado como um dos principais críticos do atual modelo de sociedade, afirma que vivemos numa era de total exclusão social. Construímos uma sociedade superficial, onde as relações virtuais são mais empolgantes e importantes do que as relações entre pessoas.

A sociedade atual está desintegrada e se desintegrando com o aumento dos conflitos e dos confrontos nas relações. Estes confrontos contribuem para o aumento da insegurança na dimensão pessoal e são indicadores de um declínio da nossa civilização. Nesta constatação está, também, possível explicação para o comportamento apoiado em relações prioritariamente comerciais, técnicas e descomprometidas com os valores humanos. A desintegração é, também, uma sinalização da necessidade de refletirmos sobre a importância de cuidarmos das relações humanas e contribuirmos para a construção de uma civilização que respeite a vida e o ser humano.