Crise da ética e ausência de justiça: reflexões de 20 anos

130

Antonio Mesquita Galvão sempre foi um autor referência em moral e ética na perspectiva que aprendi na minha formação crítica-humanística: não haverá paz sem que haja justiça.

Em 1997, escreve livro com o título “A crise da ética: o neoliberalismo como causa da exclusão social”. Tenho este livro e reli o mesmo para escrever esta reflexão.

antonio-mesquita-galvaoEm seus 90 livros escritos, Antônio Mesquita Galvão revela-se profundo conhecedor dos temas que relacionam ética, moral e cristianismo.

Assim se revela: “enganem-se ao me imaginar cristão de sacristia: sou atuante, trabalho em comunidades (…), ministro da esperança, dou aulas em casas de formação, assessoro workshops de teologia, coordeno círculos bíblicos e animo retiro de padres, religiosos e leigos. Inscrevam-se! Se querem currículo, deixei de dizer “Mestre em escatologia”. Desculpem por eu ter estudado. Ok?”

Em 97 escreveu: “A falta de ética pode ser encontrada no fim de muitos raciocínios indagadores a respeito da desordem social que há em nosso país”. Naquele contexto, o Brasil sofria as consequências nefastas das ideias neoliberais que eram aqui implantadas.

Crise da ética e ausência de justiça hoje

Vinte anos depois, o Brasil descobre-se corrupto. A corrupção, embora reconhecida problema grave, está longe de ser um problema suficientemente sério para ser levada a sério por todos os brasileiros.

>> Veja mais sobre em: Combate à corrupção

Prossegue Galvão: “A ética, como ethos (bom comportamento moral vivido à luz do direito natural), não é vivida nem buscada, e, por configurar-se uma situação de injustiça, não há paz.

“A justiça produzirá a paz!” (Is 32,17), ensinou o profeta.

“a falta de paz numa sociedade é indicador da ausência de justiça. E, nesse particular, ética e moral funcionam como colunas de justiça”.

Redescubro Galvão agora em setembro de 2016, afirmando seu histórico de estudos e reflexões na área: (eu lecionei Ética na universidade e escrevi dois livros sobre o tema, Crise da ética e Ética cristã e compromisso político) publicando um artigo no Zero Hora.

Neste artigo, o autor afirma que no Brasil acontecem coisas curiosas se não fossem trágicas e imorais, que vistas com olhos da ética formal chegam a revoltar e nos levar a duvidar da instauração de um Estado decente.

Questiona o uso indiscriminado e abusivo do Instituto da Lei Penal, a delação premiada: “Não é porque o bandido “entrega” o resto da quadrilha que ele mereça credibilidade para tomar parte ativa no processo, ou se torna menos bandido”.

Escreve também: “nos subterrâneos da ética constata-se a prática pragmática dos fins que justificam os meios. O cara é criminoso, corrupto ou calaveira, mas para ajudar a justiça ele recebe o placet, como se testemunha honesta fosse”.

Incentiva-se os jovens às atitudes morais, mas ensinamos a delação premiada, que é uma ruptura ética”.

No final do livro, em 1997, Antônio Mesquita Galvão apresenta a reforma da consciência política como solução para o resgate da justiça, da equidade e da vida abundante para o povo, o que parece ser uma exigência contemporânea.

Assim escreveu: “a sociedade cristã tem na conscientização e responsabilidade política quem sabe o único caminho para estabelecer a maior revolução de todos os tempos: transformar a sociedade pelo amor, pela reconciliação e pelo entendimento”.

Concordo e retomo as sugestões de Galvão. Perspectivas de ação cidadã e da ética e da moral, com novos desdobramentos para as novas gerações. Enquanto não praticarmos a justiça, não haverá possibilidades de paz!

Obras de Antônio Mesquita Galvão na Estante Virtual.