Raní de Souza, nasceu na cidade de Bastos interior de São Paulo. Casado e residente no Rio Grande do Sul desde 2012 onde efetivamente passou a atuar na literatura.  Escritor entusiasta, tomou gosto pela escrita aos nove anos iniciando com poesia, depois contos e crônicas com participações em diversas coletâneas. Em Lisboa – Portugal pela Editora Papel de Arroz em 2015, pelo Projeto Passo Fundo – RS, 2014/2015. Participou no 5º concurso do 42º Salão Internacional de Humor de Piracicaba – São Paulo – 2015 com micro-conto Meias Furadas e pela editora Physalis com o conto fantástico – O acampamento- 2015. Atualmente também é colunista do Portal SEC – Sistema Evolução de Comunicação de Bastos-SP.  Tem artigos de reflexões filosóficas e políticas escritas e publicadas através do Curso de Filosofia no Instituto Superior de Filosofia Berthier- IFIBE.

Raní vem desenvolvendo projetos com a comunidade negra onde ocupa-se com a coordenação de oficina de poesia negra feminina juntamente com a ACMUN- Associação Cultural das Mulheres Negras – RS. Participou da 29ª feira do Livro de Passo Fundo com participações em diversas antologias como: crônicas/contos e poesias em conjunto com outros autores do Projeto Passo Fundo e da Editora Physalis.

Obra Vovó virou criança

Lançada em novembro de 2014, Vovó virou criança é uma obra infanto-juvenil, com tiragem de 1000 exemplares, tendo sua  primeira edição esgotada em quatro meses.

Distribuída no Estado do Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, África do Sul em Cabo Verde na Cidade Velha e traduzida para o alemão para ser publicada futuramente e em estudo para tradução em inglês.

A obra foi finalista do 57º Prêmio Jabuti 2015 promovido pela Câmara Brasileira do Livro. A segunda edição também com tiragem de mil exemplares toda reformulada e de cara nova foi publicada em dezembro de 2015 e conta com grande aceitação tanto pelo publico infantil quanto pelo adulto.

A obra “Vovó virou criança” trata para o público infantil, em uma linguagem pedagógica e simples, um tema de grande importância que é o mal de Alzheimer. Como?

O livro indica para a criança que um idoso com esse tão estranho nome “Alzheimer” e também um grave problema é uma doença que “transforma o idoso em uma criança arteira”, deixando-o dependente dos cuidados de outro adulto. O autor trabalha a doença para que adultos e crianças possam ter uma compreensão inicial do que representa a doença, provocando as pessoas a buscarem mais informações sobre o assunto que hoje muitas pessoas no mundo.

Além de criar diálogo com a criança sobre respeito, comportamento e cuidados, a obra contribui para que seja desenvolvida a coordenação motora das crianças quando as mesmas colorirem as ilustrações que compõe o livro.

O autor desenvolveu o texto pensando numa interação maior entre o adulto e a criança, a partir do hábito da leitura e da troca de informações sobre a doença.

Depoimento do autor

rani“O grande desafio em escrever o livro foi juntar a criança e o adulto em um só e transformar os dois principais personagens do livro em um movimento de ida e volta: a pessoa adulta que volta a ser criança e começa a novamente passar pela fase inicial da vida e a criança, a partir daquele momento vai então se tornar uma adulta.”