Por uma cultura de direitos humanos

640

Vivemos no Brasil e no mundo uma “cidadania de papel”.
Precisamos lutar para que as garantias já previstas nas legislações
tornem-se realidade na vida cotidiana de todos os seres humanos.

 

No Brasil e no mundo, de modo voluntário e engajado, milhares de pessoas lutam pela construção de uma cultura de direitos humanos. Acreditamos que a educação em direitos humanos é uma ferramenta importante para a concretização dos direitos no cotidiano de todas as pessoas.

 

Ser humano não é descartável

Os lutadores sociais sabem que direitos humanos trazem, na essência, o direito a ter direitos. Por isso mesmo, fortalecem-se nas lutas, nas conquistas e nas realizações de cada e de todo ser humano que tem a possibilidade de desabrochar, de viver bem e de ser feliz.

Conheci as lutas de direitos humanos no tempo em que Marcos Rolim, deputado estadual, promovia no Rio Grande do Sul Conferência Estadual de Direitos Humanos com o tema: “Nenhum ser humano é descartável”.

Nesse artigo o autor afirma que nenhum ser humano é descartável.

 

Desafios da luta por uma cultura de direitos humanos

Vejo grandes desafios na defesa da dignidade de todos os seres humanos no Brasil e no mundo:

[quote_box_center]“Nosso trabalho é voluntário. Por isso exige doação e compromisso e isto tem um preço que cada um decide pagar. Quem luta pelos direitos humanos, seus e dos outros, acredita imensamente em todas as possibilidades e potencialidades humanas, porém nem sempre é bem compreendido/a.
Direitos humanos exigem mudanças de estrutura de sociedade. Dignidade não pode ser para alguns, deve ser para todos e todas. Não podemos aceitar, numa democracia, que pessoas e grupos sejam criminalizados quando lutam por seus direitos, seja na luta pela terra, moradia, educação e nem que o Estado, que deve ser o garantidor de direitos, seja, por vezes, o grande violador”.[/quote_box_center]

 

Tanto a Declaração Universal dos Direitos Humanos, como a Constituição Brasileira de 1988 e os Pactos Internacionais trouxeram avanços para os direitos humanos porque são instrumentos que possibilitam que a sociedade e os sujeitos cobrem dos governos a execução de políticas que dignificam a pessoa humana.

A realização dos direitos humanos fundamentais precisa ser garantida pelo Estado. Além do mais, estes instrumentos são compromissos que governos e sociedade assumem como seus ideais de mundo e humanidade.

Vivemos no Brasil e no mundo uma “cidadania de papel”. Neste sentido, precisamos lutar para que as garantias já previstas nas legislações tornem-se realidade na vida cotidiana de todos os seres humanos.

 

Educação em direitos humanos

Objetivos: Possibilitar a sociedade uma maior igualdade social, de modo que todos os seres humanos possam ter direitos iguais, independente de ser homem, mulher, criança, idoso, indígena, negros entre outros, a humanidade deve ser oportunizada e respeitada de maneira igualitária.

Vídeo que fundamenta Educação em Direitos Humanos:

 

Humanos direitos?

Duas coisas impossibilitam avanços nos direitos humanos: a imbecilidade e o egoísmo. Defender os direitos humanos significa defender os humanos, todos os humanos, mas, sobretudo, os que são mais vulneráveis e mais propensos a serem tratados como fora do círculo dos direitos. Para aprofundar o tema sobre direitos humanos ou humanos direitos, leia mais aqui.

 

Direitos Humanos em vídeos: por uma cultura de direitos humanos

Para divulgar tão importante data para os militantes e ativistas de direitos humanos, escolhemos alguns vídeos produzidos e elaborados com muita criatividade e conhecimento, para lembrarmos a todos que “direitos humanos pressupõe a dignidade de cada pessoa, de cada ser humano”.

Vídeo: “Mas, afinal, o que são direitos humanos”?

 

 

Você já pensou sobre o que todas as pessoas têm em comum? Somos todos seres humanos. Apesar de diferentes, somos todos livres e iguais. E, por isso, precisamos ser respeitados e protegidos. Os Direitos Humanos estão todos escritos e registrados na Declaração Universal de Direitos Humanos da ONU. Eles são universais, indivisíveis e independentes. É preciso que todas as pessoas do mundo conheçam seus direitos, pois garantir que os direitos humanos sejam efetivos e respeitados é responsabilidade de todos e todas nós.

Para entender, assista a este vídeo, que é produto da parceria entre o Instituto Coca-Cola Brasil e a ONU Mulheres, em colaboração com o IBAM.

 

Vídeo sobre os 30 artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

 

Vídeo pedagógico, com propósito de ajudar no trabalho educativo nas escolas.

 

Trajetórias de movimentos sociais e políticos no Brasil e no mundo, na conquista de direitos humanos ao longo da história.

 

Em nosso site, editamos coluna com artigos e reflexões sobre direitos humanos, com o objetivo de criarmos uma cultura de direitos humanos. Confira esses conteúdos aqui.